Já alguma vez te sentiste à beira do colapso (com o coração a bater, a testa a suar e a cabeça com uma sensação de tontura)....

quinta-feira, agosto 23, 2012



...depois de fazeres uma compra carérrima?

Se, enquanto estavas a ler esta pergunta, acenaste afirmativamente com a cabeça, devo dizer-te que és uma verdadeira shopaholic! Daquelas mesmo feroz, tipo furacão que entra nas lojas e agarra em tudo, leva tudo para, minutos depois, se lamentar da verdadeira catástrofe da sua vida: a BANCARROTA!


Calma, parece que afinal não vais arder no inferno. Pelos vistos, a culpa não é tua, nem da carteira, nem da vizinha (que tem uma galinha melhor que a minha tua). Não! Já podes morrer com a consciência tranquila (not) pois afinal a culpa é do nosso amigo cérebro!  Ele é o verdadeiro culpado, por o nosso cartão de crédito não funcionar!

É verdade, amiga shopaholic! E como é que eu sei isto? Bem, li algures que um chico esperto de um médico lembrou-se de estudar o nosso cérebro, relacionando-o com questões financeiras. Decidiu chamar o estudo de neuroeconomia (eu é que vou ficar cá com uma neura se o meu cérebro não deixar-me comprar aquilo que quero!), e esta coisa com nome pomposo parece explicar o mal dos pecados de muita gente, incluindo os teus (e os meus também).



Cenário: Vais ao shopping, toda contente, e entras numa Zara (parece-me que existe muita gente pela blogosfera que sofre de mal de amores pelas peças da Zara). O que acontece? Uma zona do cérebro chamada de núcleo acumbente (onde se dão os estímulos do prazer) começa a entrar em rebuliço. "Ahhh, que calças tão giras. Quero comprá-las!". É o acumbente a falar.

"Quais calças, quais quê? Não vais comprar outro par de calças, que já tens mais de 100 no closet e para além do mais são carérrimas!" Fala a ínsula (deveria era chamar-se de insossa, sem sal, sem piada), outra zona do cérebro que funciona como uma espécie de peso na consciência.

Quando vais às compras a ínsula e a acumbente (tratemo-las pelo nome próprio) entram numa espécie de luta na lama. As shopaholics infelizmente não têm uma ínsula que lhes faça travar o impulso desenfreado das compras.  Mas não penses por isso que és um caso perdido. Não! Ainda há esperança.



Aula Prática (também conhecida como o exercício da esperança):

1.Treinar o Cérebro

Não compres nada durante várias semanas, para comprares uma peça melhor no fim de um mês, em vez de ires gastando o pouco que tens em peças de merda (desculpa lá o termo reles, mas sejamos realistas). Se conseguires adiar uma gratificação a recompensa será maior e, assim que o cérebro perceber isso, será mais fácil não comprar.

2. Manipular a Dor (aiiiiii que me dói o coração só de pensar que não vou poder comprar a saia da Zara)

Não, minha querida shopaholic, não é manipular a dor nesse sentido. Pelos vistos, pagar em dinheiro é uma das formas de fazer com que uma compra seja mais dolorosa para o cérebro. O segredo é levantar uma quantia fixa de dinheiro por semana e não gastar mais do que isso (não vale gastar tudo em peças da Zara e passar fome), salvo se houver uma emergência (comprar um vestido da Zara, porque tens um evento social, não é considerado uma emergência).



3. Dar Tempo ao Cérebro

Atrasa as decisões para que o córtex pré-frontal possa melhor avaliar os sinais de dor e de prazer. Quêeeeee? Pronto, eu explico por miúdos. Vais à Zara, vês umas calças, uma blusa, um vestido, uma mala, uns sapatos. Tudo muito giro, tudo a gritar "leva-me para casa". Calma! Vai tu para casa. Dorme! Dormir ajuda o cérebro a consolidar informação, o que leva a decisões mais acertadas. No outro dia vais ver que afinal nem precisavas de nada, ou vês que afinal só precisavas de comprar um vestido.

4. Fazer da Poupança um Prazer

Esta parece-te difícil, right? Comprar um par de sapatos ou pôr o dinheiro numa conta a prazo? Calma, já sei que o teu cérebro "shopaholico" está a gritar "sapatos, SAPATOS", mas tens de fazer com que as poupanças também te dêem prazer. Não? Então pensa na conta do cartão de crédito, que em vez de aumentar no final do mês pode começar a diminuir, se poupares.



5. Festeja

Estabelece um montante mensal para colocares de lado assim que auferires o teu rendimento (seja ele ordenado, mesada ou outra coisa qualquer). Se chegares ao fim do mês com o objectivo cumprido vai festejar, para dares um feedback positivo ao cérebro. Mas, por festejar, não significa que podes ir à Zara torrar o dinheiro todo. Nop. Vais ali ao café do Sr. António e pedes um Magnum de Amêndoas. Já vais com muita sorte!



Coragem amiga shopaholic. Afinal, conforme aprendeste hoje, nem tudo está perdido. xx***

You Might Also Like

6 comentários

  1. Faço muitos desses exercícios :p

    ResponderEliminar
  2. Omg, acabaste de contar a história da minha vida! Ahahah :)
    Cacau, não estou de todo arrependida, às vezes faz bem mudar! O que custa é nos habituarmos ao novo visual, mais nada! :)
    Uma beijoca, Luzia M.

    ResponderEliminar
  3. Tenho que fazer esses exercícios :)
    Beijinhos
    http://melminho.blogspot.pt/
    http://melminhobiju.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. ahaha, muito bom post, gostei :)
    beijinhos, segui*

    ResponderEliminar
  5. o que me ri ao ler este post!! E o quanto me identifiquei ;)
    Estou a ver que tenho muito que exercitar o cereeebro =D

    http://girls-stuff-11.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Obrigada pelos vossos comentários. xx***

Like us on Facebook

Add us on snapchat

Add us on snapchat

Subscribe